Um grande jogo de futebol, uma grande reação do SC Braga a todos os desafios que o encontro lhe colocou, uma vitória que honra a forma guerreira como a equipa recuperou de duas desvantagens e, em prolongamento, carimbou a presença nos quartos de final da Taça de Portugal.

Vamos por partes, então. Apesar de ter pertencido a Wilson Eduardo a primeira grande oportunidade do jogo, a verdade é que foi o Sporting CP a inaugurar o marcador, por intermédio de Bryan Ruiz (10′). O líder da Liga NOS soube defender essa vantagem de uma primeira reação minhota, mas quando Wilson voltou a encontrar Rui Patrício pela frente não perdoou. Aos 42′, o SC Braga obtinha a igualdade com que se chegaria ao intervalo.

A batalha estava, porém, bem distante do seu término. Um remate certeiro de Alan (54′) deu a primeira liderança aos Gverreiros, validando uma fase de superioridade no encontro a que o Sporting CP reagiu, contudo, a preceito. Slimani empatou aos 57 minutos e William Carvalho deu a curva certa a um remate que dava a segunda vantagem aos leões. Foi o mote para um ataque furtivo do SC Braga à baliza de Rui Patrício. De tanto bater, a resistência sportinguista acabou mesmo por furar, surgindo Marcelo Goiano para o pontapé certeiro que levaria o jogo para prolongamento (83′).

Nem o correr dos minutos levou a que os jogadores se deixassem vencer pelo esforço, mas a alma Gverreira foi justamente premiada quando Rui Fonte (111′) cabeceou para o último golo da noite, levando à loucura o Municipal de Braga. Ponto final num jogo intenso, vibrante e que enche de orgulho o futebol português.

Numa grande propaganda à prova, o SC Braga segue rumo aos quartos de final e mantém vivo o sonho do Jamor.

O SC Braga jogou com: Matheus; Baiano, Ricardo Ferreira, André Pinto, Marcelo Goiano; Luíz Carlos, Vukcevic, Alan (Pedro Santos, 90′), Rafa; Wilson (Rui Fonte, 79′), Hassan (Stojiljkovic, 63′).