A Sporting Clube de Braga, SAD anuncia que chegou a acordo com o Futebol Clube Paços de Ferreira para a transferência do jogador Carlos Marafona, que assinou contrato por três temporadas e meia, ou seja, até junho de 2019.

O guarda-redes de 28 anos reforça assim o plantel dos Gverreiros do Minho, reencontrando Paulo Fonseca, treinador com quem trabalhou no CD Aves, em 2011/12. Natural de Vila do Conde, Marafona iniciou a sua carreira profissional ao serviço do Varzim SC, tendo também alinhado no CS Marítimo, no CD Aves e no Moreirense FC, para além do FC Paços de Ferreira, onde atuou durante esta época.

Novo dono da camisola 28 dos Gverreiros, Marafona expressou ao scbraga.pt a sua alegria pelo passo dado na carreira. “É uma oportunidade que eu já procurava há algum tempo, estou muito satisfeito por estar aqui. O SC Braga está num patamar de topo há já alguns anos e qualquer jogador gostava de representar este clube. Chegou o meu dia”, notou o guarda-redes, que não quer associações à saída de Kritciuk: “Não venho para substituir ninguém, mas para fazer o meu trabalho e ajudar no que for preciso.”

Marafona apresenta-se como “um guarda-redes estável” e que lida “bem com a pressão”, focando que tem tido um percurso em ascensão e ao qual quer dar seguimento. “A minha carreira tem sido sempre a subir, com muito trabalho. Espero não ficar por aqui, dar continuidade”, diz quem vê o SC Braga como um clube com “exigência máxima, porque é uma das principais equipas a jogar futebol”.

Por entre elogios a Matheus e a Tiago Sá – “São dois bons guarda-redes, que têm muito potencial. Acho que nos vamos dar bem e que vai ser uma luta interessante” – elencou também as capacidades de Paulo Fonseca, reconhecendo que esse factor foi tido em conta: “Já conheço o treinador, aprecio o seu trabalho e conheço as suas qualidades. Identifico-me com as ideias que tem.”

Marafona, que já foi chamado à Seleção Nacional, admite que a visibilidade que o SC Braga dá aos jogadores pode ser importante para as suas perspetivas individuais: “Um dos objetivos foi estar mais próximo da Seleção, mas isso só se consegue com trabalho.”