“Ajustar as velas em função do vento”: é com base neste princípio que Abel Ferreira explica a reviravolta conseguida, este domingo, na receção ao GD Chaves (2-1). O técnico do SC Braga valorizou a capacidade mental demonstrada pelos seus jogadores na reação ao golo sofrido, afirmando que a luta no Campeonato será levada até ao fim e vincando o desejo de ver repetido o apoio em grande número na bancada.

 

Raio-x ao encontro: “O GD Chaves vinha à procura de um erro nosso e o primeiro golo surge precisamente de uma perda de bola. Se a bola ao poste do Ricardo Horta entra, no primeiro minuto, este jogo teria seria completamente diferente… Nos primeiros dez minutos fomos fantásticos, mesmo assim não marcámos e o GD Chaves foi capaz de nos ir tapando os caminhos. Depois tivemos largura nos corredores, ajustamo-nos e chegámos à reviravolta”.

Na luta até ao fim: “A nossa equipa tem a capacidade de ajustar as velas consoante o vento. Os objetivos estão muito bem definidos, em dezembro já queriam fazer um campeão mas isto vai ser até ao fim. Há muitos pontos em disputa, podem contar connosco. Propusemo-nos a lutar pelos quatro primeiros lugares e em maio vamos ter o que fizermos por merecer. Hoje merecemos esta vitória, sobretudo pela capacidade mental que mostrámos”.

Mais de 17 mil nas bancadas: “Quero dar os parabéns aos nossos adeptos. É fantástico jogar com uma casa bem composta. Isso ajuda-nos muito e mesmo passando por dificuldades – porque este Chaves é muito bem orientado – conseguimos o nosso objetivo. Precisamos sempre do apoio deles e lanço-lhes o desafio de continuarem a vir em massa ao estádio”.